Telescópio Gigante Magalhães - GMT

Agncia FAPESP
jornalismo
22 Mai 2018
4 Visuaizações
Vídeo traz os desafios da construção do primeiro telescópio de uma classe conhecida como "extremamente grandes". O GMT entrará em operação ao longo da década de 2020 e contará com um conjunto de sete espelhos de 8 metros e 40 centímetros cada um, para formar um único espelho de 25 metros de diâmetro, que será capaz de explorar o cosmos com definição e sensibilidade sem precedentes. O GMT começou a ser construído no deserto do Atacama, no Chile, junto ao Observatório Las Campanas, em uma altitude de 2.500 metros. Com um custo estimado em 1 bilhão de dólares, o projeto é composto por um consórcio internacional e envolve diversos países: Austrália, Coreia do Sul, Chile, Brasil e Universidades dos Estados Unidos. O sócio brasileiro é a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, a FAPESP, que firmou um investimento de 40 milhões de dólares, o que equivale a 4% do investimento total do projeto. Com isso, a FAPESP garantirá aos pesquisadores do estado de São Paulo, 4% do tempo de operação do GMT. Reportagem, câmera e edição: Phelipe Janning Narração: Sônia Guimarães Roteiro: Phelipe Janning, Augusto Damineli, Maria Antonieta Garcia Ureta Imagens: GMTO, Gemini Observatory, Richard F. Caris Mirror Lab at The University of Arizona, AURA, ESO, ALMA, Hubble Space Telescope, European Space Agency, NASA, Ricardo Alcagaya, Twanv, WMAP. Agradecimentos: Gustavo Rojas e equipe da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica - OBA, aos alunos participantes da OBA, aos professores e assessoria de comunicação do Colégio Etapa. Mostrar mais