Hospital Regional de Taubaté bate novo recorde na captação de órgãos para transplante

Balanço mostra avanço de 50% no número de doadores viáveis em 2019, em comparação ao ano anterior


Os órgãos são destinados para pacientes com compatibilidade triados pela Organização para Procura de Órgãos (OPO) de CampinasOs órgãos são destinados para pacientes com compatibilidade triados pela Organização para Procura de Órgãos (OPO) de Campinas (Foto : Divulgação / HR)O Hospital Regional de Taubaté realizou um levantamento sobre o número de captações de órgãos para transplante, que revelou um novo recorde no comparativo entre 2019 e 2018. Ao todo, o Hospital foi responsável por 12 captações efetivas entre janeiro e agosto deste ano contra 8 no mesmo período do ano passado.

Saiba mais: Entrevista com Cornelis Poel, transplantado de fígado 

De acordo com o HR, o resultado revelou aumento de 50% no processo de conscientização de famílias que consentiram em doar órgãos de seus familiares. De acordo com o Diretor Médico do HR, Dr. Caio Soubhia Nunes, o saldo positivo reflete o trabalho da comissão Intra-Hospitalar, formada por uma equipe multiprofissional que atua de forma a garantir segurança e qualidade durante todo o processo, tendo o tempo como fator de maior desafio.

"Como o paciente se encontra em morte encefálica é muito difícil manter a viabilidade dos órgãos e quanto menor o tempo entre o diagnóstico e a doação mais vidas poderão ser salvas", disse o Dr. Caio Soubhia Nunes.

Compõem a comissão membros das áreas assistenciais, que atuam como multiplicadores e auxiliadores do processo junto aos médicos das Unidades de Terapia Intensiva (UTI's), da Neurocirurgia e do Serviço de Emergência, que geralmente são os profissionais responsáveis pelo diagnóstico e protocolo de morte encefálica.

Setembro Verde - Em setembro o Brasil chama a atenção para a Campanha 'Setembro Verde', iniciativa que marca o mês em comemoração ao Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos, comemorado no dia 27 de setembro. A data foi instituída em 2014, pela lei federal nº 15.463, com o principal objetivo de conscientizar a população sobre a importância de ser doador de órgãos.

Processo de doação - A constatação de morte encefálica é um processo complexo que leva cerca de 24h. O paciente (potencial doador) passa por diversos exames, a fim de confirmar o diagnóstico. Desde o início a família do paciente é informada sobre todos os passos dados pelas equipes médicas e de enfermagem. "Percebemos que, quando a pessoa já falou sobre o assunto com o seu círculo familiar, essa decisão fica mais fácil, pois querem respeitar a decisão que o ente tomou em vida", comenta o médico.

No Brasil, a doação de órgãos só acontece após autorização familiar, independente de qualquer manifestação por escrito por parte do paciente.

Vidas beneficiadas - Até o momento, pelo menos 53 vidas foram beneficiadas com as 12 captações de órgãos que partiram do HR nos primeiros 8 meses do ano. Ao todo, foram captados 2 corações, 22 rins, 18 córneas, 10 fígados, e 1 pâncreas. Os órgãos são destinados para pacientes com compatibilidade triados pela Organização para Procura de Órgãos (OPO) de Campinas, responsável pela região.

anuncio