Ericsson entrega milésima estação radiobase 4G produzida em São José




Empresa investiu R$ 10 milhões desde 2011 para atender a demanda de produção da tecnologia


A Ericsson comemorou, em evento realizado na tarde da última quarta-feira (26) na fábrica de São José dos Campos, com a presença do Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a produção da milésima estação rádiobase 4G/LTE produzida pela empresa, pioneira na fabricação e implantação da tecnologia no mundo.

Além do ministro, estiveram presentes no evento o presidente da Ericsson para América Latina e Caribe, Sérgio Quiroga; presidente da Anatel, João Resende; secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicação, Maximiliano Martinhão; entre outras autoridades.

Durante o evento, o ministro ressaltou a importância da entrega, para a indústria brasileira e para a tecnologia. "Eu acho fantástico, pois estamos começando a implantar a tecnologia 4G no Brasil. Havia uma discussão se a indústria nacional seria capaz de atender a demanda na produção. Nós marcamos para visitar a linha de montagem dois meses atrás e quando viemos, já foram mil estações produzidas e mostra que, de fato, teremos produção o suficiente", disse. 
"Esta tecnologia é nova, o uso dela no mundo ainda é pequeno. Com a nossa produção aqui, tudo indica que metade será exportada. Então é bom prestigiar a indústria, pois vamos utilizar equipamentos nacionais e vamos ter condições para exportar, melhorando a economia do país."

Também foi apresentado na fábrica de São José dos Campos um novo modelo de estação, uma antena integrada ao rádio transmissor que substituirá a necessidade de antenas físicas, atualmente utilizada nas cidades. Para o ministro, essa nova tecnologia será a solução para questões urbanas. "Essas estações são menos agressivas do ponto de vista urbano. Existe uma lei sendo discutida no Congresso em que colocamos um dispositivo que incentiva o uso dessas estações mais modernas. Elas teriam uma licença mais facilitada do que os grandes modelos, que agridem o visual e a paisagem das cidades", explica.

Das mil estações rádiobases de banda larga 4G produzidas pela Ericsson, 70% são para exportação e 30% foram vendidas para a empresa de telefonia Claro, que pretende implantar a tecnologia totalmente até a Copa de 2014, como explicou o presidente da Ericsson para América Latina e Caribe, Sérgio Quiroga. "Pela vantagem logística e de preço, nós exportamos para América Latina, depois Estados Unidos e África", ressalta.

A previsão de Quiroga é que até 2020 existam cerca de 2 bilhões de conexões apenas no Brasil. "Estamos massificando nossos investimentos no país e saindo na frente mais uma vez: fomos pioneiros na tecnologia 3G e agora na 4G. Estamos aptos não apenas a produzir, mas sim a implementar a tecnologia 4G/LTE no Brasil", destaca.

O investimento para a implantação da tecnologia foi de R$ 10 milhões desde 2011, ampliando e modernizando a linha de módulos da fábrica de São José. Hoje são 1000 pessoas trabalhando e, se a demanda pela tecnologia 4G aumentar em nível de exportação, provavelmente mais vagas serão abertas.

Sobre as melhorias que o 4G traz, Quiroga explicou que serão visíveis na velocidade e alcance na transmissão de dados. A primeira cidade a receber a nova tecnologia na região será Campos do Jordão, mas sem previsão de instalação.


Leia também
Celulares no Vale do Paraíba vão ganhar nono dígito em 2013, afirma presidente da Anatel


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.