Fabrício Queiroz é preso em Atibaia

Ele é investigado por participação em esquema de 'rachadinha' na Alerj


Fabrício Queiroz, ex-assessor e ex-motorista do então deputado e atual senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso em Atibaia, interior de São Paulo, às 6h da manhã, nesta quinta-feira (18). Queiroz foi preso quando estava no imóvel de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro. 

Queiroz é investigado por participação em esquema de "rachadinha" e lavagem de dinheiro. Segundo informações divulgadas da investigação, funcionários de Flávio - na época em que ainda era deputado estadual do Rio de Janeiro - eram coagidos a devolver parte do salário, e o dinheiro era lavado em uma loja de chocolates e em investimentos em imóveis. 

Queiroz no momento de sua prisãoQueiroz no momento de sua prisão (Foto : Polícia Civil de SP)Osvaldo Nico Gonçalves, delegado da Polícia Civil de São Paulo, que participou da prisão, disse que os policiais não sabiam quem estavam indo prender durante a busca. Essa medida foi tomada para evitar possíveis vazamentos de informações. Em entrevista à CNN, ele ainda afirmou que "Não demos ciência para os policiais para não haver nenhum tipo de vazamento, nada. Ontem fomos contatados pelo delegado geral que recebeu a missão do Ministério Público [do Rio de Janeiro], e nós cumprimos com êxito. A gente fez um briefing hoje por volta de 4 horas na nossa sede e seguimos pro local junto com os promotores públicos", explicou o delegado.

O mandado de prisão pelo qual Fabrício Queiroz foi capturado refere-se a uma prisão preventiva determinada pela Justiça do Rio de Janeiro, parte da Operação Anjo, coordenada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Ele não ofereceu resitência durante sua prisão, mas alegou estar muito doente. Foi encaminhado para o Instituto Médico Legal na capital, São Paulo, e por vota das 10h da manhã foi dirigido ao Rio de Janeiro onde aguarda determinações da justiça. 

Para o senador Flavio Bolsonaro, toda a investigação se trata de um ataque contra seu pai , o presidente Jair Bolsonaro. Nas redes sociais ele se posicionou dizendo "Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro." Confira na imagem:

Entretanto, ainda não houve denúncia, por essa razão é que se trata de uma prisão preventiva - sem prazo de encerramento. O que se suspeita é da interferência de Queiroz nas investigações. Sua esposa, Marcia Aguiar, ex-assessora de Flávio, também tem mandado de prisão decretado, porém, não foi encontrada até o momento e, por isso, é considerada foragida.

anuncio