Arquipélago de Alcatrazes, em São Sebastião, será aberto para ecoturismo no verão

Portaria foi assinada nesta quarta, em São Sebastião. No local, serão permitidos mergulho recreativo e passeio embarcado


O local será aberto para atividades de mergulho recreativo e passeio embarcado para observação da faunaO local será aberto para atividades de mergulho recreativo e passeio embarcado para observação da fauna (Foto : Divulgação/ICMBio)

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) abrirá para visitação pública o Arquipélago de Alcatrazes, localizado em São Sebastião. O local será aberto para atividades de mergulho recreativo e passeio embarcado para observação da fauna.

A assinatura da Portaria de Autorização para Visitação em Alcatrazes e acordo de cooperação com a SOS Mata Atlântica aconteceu nesta quarta-feira (13), na Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião. A solenidade contou com a presença dos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, e da Defesa, Raul Jungmann, e do presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, e da diretora da SOS Mata Atlântica, Márcia Hirota.

A partir da assinatura da portaria, as empresas de turismo e profissionais autônomos interessados, que atenderem os pré-requisitos estabelecidos no documento, poderão se cadastrar para prestar serviços de visitação no Refúgio. A perspectiva é que no início de 2018 o turismo no local esteja já em funcionamento.

"O turismo em Alcatrazes é uma antiga reivindicação de vários setores locais, que possibilita a apropriação e a valorização pela sociedade desse importante patrimônio natural", argumenta a chefe do Núcleo de Gestão Integrada de ICMBio Alcatrazes, Kelen Luciana Leite.

De acordo com Kelen, a criação do refúgio de Alcatrazes representa o fortalecimento do ecoturismo no litoral de São Paulo, em especial para os municípios de São Sebastião, Ilhabela, Caraguatatuba, Ubatuba, Bertioga, Guarujá, São Vicente e Santos, que juntos possuem uma expressiva frota de embarcações de esporte e recreio.

A demanda por visitação ao Arquipélago de Alcatrazes é histórica, remonta à década de 90, quando foram iniciadas ações em prol da criação do Parque Nacional Marinho dos Alcatrazes, que propunha o aumento da área marinha protegida e a implantação do ecoturismo como opção para o desenvolvimento sustentável regional. Apesar da expectativa para o turismo no arquipélago, atividades com esta finalidade nunca ocorreram devido a restrições relativas à Estação Ecológica (Esec) Tupinambás (categoria de unidade de conservação que não permite a visitação pública) em algumas áreas, bem como por determinação da Marinha do Brasil, que em função de seus exercícios militares (que atualmente ocorrem na ilha da Sapata), interditou a navegação na região de 1998 até 2008.

*Com informação de ICMBio


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.