Greve histórica na Confab conquista aumento e abono salarial



Os cerca de 1.500 funcionários da Tenaris Confab ? unidade Tubos retornaram ao trabalho na manhã desse sábado, dia 29. Após um dia de greve, a categoria conquistou o aumento reivindicado de 8% e ainda um abono salarial de R$ 1.100.

A proposta foi apresentada no final da noite de sexta-feira e contempla também os trabalhadores que estão afastados pelo INSS nos códigos B91 e B94 desde setembro de 2010.

Até então, a empresa não aceitava nem mesmo negociar com Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT. Na negociação coletiva com a bancada patronal em São Paulo, a campanha salarial está travada em 6,5%, sem abono.

Pela primeira vez em mais de quinze anos, a produção da fábrica ficou completamente paralisada, e assim permaneceu por 24 horas. Os funcionários do setor administrativo também não trabalharam.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pindamonhangaba-CUT, Renato Marcondes de Oliveira, o ?Mamão?, parabenizou os trabalhadores pela greve, que já se tornou um marco histórico para a cidade e também para o grupo Tenaris.

?Por tudo o que já enfrentamos nessa fábrica, ver essa união dos trabalhadores mostrando para a direção da empresa que ela não pode simplesmente enfiar o que ela quer goela abaixo nos trabalhadores é a realização de um sonho. É mais do que a conquista de salário, é também o respeito. Os trabalhadores exigem que a empresa atue de forma mais transparente?, exclamou.

Mamão também agradeceu a toda a direção do sindicato pelo empenho durante a greve. Nessas 24 horas, barracas foram montadas e dirigentes ficaram de prontidão em todas as sete portarias da empresa para garantir a permanência da greve.

Durante todo o movimento, nenhum tumulto ocorreu. A Tenaris Confab ? unidade Tubos produz tubos de aço para o ramo petrolífero e integra o Grupo 2 (máquinas e eletrônicos) na campanha salarial da FEM-CUT/SP.

 



0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.