Taxa de corretagem zerada cria oportunidade de investimento nos EUA para brasileiros

Os investidores podem aproveitar melhor os investimentos em ações


Para quem investe em ações, aplicar em papeis no exterior pode ser uma boa oportunidade para buscar mercados mais estáveis e diversificar os investimentos.

No entanto, na B3, a Bolsa de Valores brasileira, são negociadas ações de apenas um pequeno número de companhias estrangeiras - cerca de 1% dos ativos operados no mercado global. Portanto, para quem se interessa em desbravar o mercado financeiro internacional, há poucas opções para diversificação investindo a partir do Brasil.

Com o passar dos anos, mudanças regulatórias e o desenvolvimento de novos produtos financeiros, tornou o investimento em países como os Estados Unidos menos complicado. 

Os investidores brasileiros têm mais uma razão para apostar no mercado norte-americano de renda variável. Corretoras de investimentos dos Estados Unidos zeraram suas taxas de corretagem, tornando o mercado de capitais estadunidense ainda mais vantajoso.

A estratégia das corretoras é atrair mais investidores e gerar negócios de outras fontes. Entre as empresas que deram esse passo estão a Fidelity Investments, a TD Ameritrade e a Charles Schwab.

Com a taxa de corretagem zero, os investidores podem aproveitar melhor os investimentos em ações e ETFs (Exchange Traded Fund), sem custo extra. Elas representavam uma porcentagem pequeno no total de receitas das empresas - em torno de 7% - enquanto novos negócios, como a consultoria de investimento digital, podem render de 0,35% a 1,05% sobre a quantia investida em um ativo recomendado.

O corte foi possível graças à digitalização do mercado de investimentos, impulsionada pela presença de startups que entraram na ramo já com taxa zero. A concorrência tornou as corretoras tradicionais mais competitivas, que ousaram ao zerarem suas taxas.

A tendência é que os investidores brasileiros façam bom proveito da taxa zero, uma vez que já vinham incrementando seus investimentos em cestas e portfólios.

Dados do Banco Central informam que os brasileiros aumentaram em 65% seus investimentos no exterior nos últimos três anos. A preferência é por países como Estados Unidos e Reino Unidos, onde, justamente com a Alemanha, estão os mercados de renda variável mais seguros do mundo.

Como investir em ações no exterior

Quem tiver interesse saber como investir em ações no exterior para diversificar seus rendimentos no mercado internacional, não há grandes complicações.

O primeiro passo é abrir um conta em uma corretora estrangeira que opere com taxa zero. Normalmente, além da cópia do passaporte e de um comprovante de residência, o interessado necessita preencher um formulário de investidor estrangeiro, no qual fornece informações básicas à corretora .

A conta pode ser aberta on-line e sem custo, mediante envio da versão digital dos documentos.

Não é necessário começar investindo valores altos. A corretora Drivewealth, por exemplo, permite fazer investimentos a partir de US$ 50.

A transferência dos valores pode ser feita pela internet, por uma plataforma como a Remessa Online, que realiza o processo de forma simples e com baixo custo.

A dica é ficar de olho no mercado de capital internacional e estar atualizado com a cotação do dólar.

anuncio