Taubaté comemora 373 anos de fundação

A fundação das cidades valeparaibanas e ocupação do território se deve, principalmente, a uma disputa de terras entre parentes


Em 1968, o skyline taubateano contava com poucos edifícios, entre eles, o da Drogasil, Santa Marcia, Santa Marina, Andreia Parodis, Gaivotas, Rio Branco, Alexandre Patto e Urupês  (edifício do Tesourinho)Em 1968, o skyline taubateano contava com poucos edifícios, entre eles, o da Drogasil, Santa Marcia, Santa Marina, Andreia Parodis, Gaivotas, Rio Branco, Alexandre Patto e Urupês (edifício do Tesourinho) (Foto : Acervo Municipal)

Hoje é o aniversário de 373 anos da cidade célula-mater da região, reduto cultural efervescente que ostenta merecidamente o título de Capital Universitária do Vale do Paraíba. Uma terra de oportunidades e berço de tantas personalidades ilustres como Monteiro Lobato, Renato Teixeira, Cely Campelo, Cid Moreira, Hebe Camargo e tantos outros.

A história de Taubaté, primeiro núcleo oficial do Vale do Paraíba, vem de um projeto muito anterior ao de sua fundação em 5 de dezembro de 1645. Para esse intento, foi escolhido o sertanista Jaques Félix, em 1636.

Muitos anos antes, em 1560, o desbravador Bras Cubas já havia adentrado a região do Médio Vale com uma enorme expedição. Além disso, antigos documentos relatam que, em 22 de julho de 1643, o Capitão-Mor João do Prado Martins já vivia com toda a sua família em uma data de terra hoje pertencente à Pindamonhangaba.

A fundação das cidades valeparaibanas e ocupação do território se deve a um fator principal e prioritário, forçado por uma disputa de terras em família. Vendo que seu primo, o Conde de Monsanto tentava apropriar-se de suas propriedades, a Condessa de Vimieiro, herdeira de Martim Afonso de Souza, desmembrou da Capitania de São Vicente em 1624 uma área que denominou Capitania de Itanhaém, e com ela, todas as terras entre as duas serras ao longo do Rio Parayba, de Jacarehy à Cabo Frio.

A partir daí, a donatária da nova capitania delegou poderes a seus capitães, o primeiro deles João de Moura Fogaça, que em 1628, deu provisão para que Jaques Félix e sua família viesse para a região. Sua missão era construir um reduto, uma vila oficial, com igreja de porte, cadeia, casa de fundição de ouro, casa de conselho, engenho e moinho.

Até então, o que havia no chamado "caminho do norte" dos sertanistas eram paragens como a "tapera do gentio" (Tremembé) e as de Jacarey, Pindamonhangaba e Guaratinguetá, lugares apenas para repouso e entrepostos de alimentos.

No dia 5 de dezembro de 1645, em homenagem ao santo do dia, São Francisco das Chagas, Jaques Félix promoveria então a fundação de Taubaté, a primeira povoação realmente constituída da região.