Redenção da Serra é a aniversariante do dia 25 de agosto

Com a cidade velha desaparecendo sob a represa da Usina Hidrelétrica de Paraibuna, a cidade renasceu em 1974, no alto de uma colina


Redenção da Serra é a aniversariante desse dia 25 de agosto. Hoje, a pequena e acolhedora cidade está mais nova e em outro local. A cidade teve seu primeiro núcleo a partir do início do século XIX, período em que a economia brasileira viu iniciar o esgotamento do ouro nas Minas Gerais e voltou sua atenção para o Vale do Paraíba, que nesse período vivia o ciclo do café.

Taubaté, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, Lorena e Bananal foram os mais importantes centros urbanos da época, onde se desenvolveu uma sociedade rural abastada. A monocultura do café se espalhou e passou a ocupar vales e montanhas. Com isso, também surgiram novos povoados. 

Para ampliar a extensão das lavouras cafeeiras em territórios ainda desconhecidos, foi nomeado capitão-mor o sertanista e grande desbravador Francisco Ferraz de Araújo. Morador na Vila Real de Nossa Senhora do Bom Sucesso de Pindamonhangaba, ele com sua esposa em cumprimento a determinação do governador de São Paulo seguiram rumo aos sertões da Serra do Maracompanhados de um grande número de escravos a procura de territórios e terras férteis para o cultivo de café.

O casal chegou a um pequeno vale conhecido como sertão da Samambaia, em terras outrora pertencentes a Taubaté e construíram ali uma fazenda. Se instalaram às margens do rio Paraitinga, onde teve início o povoado.

Padroeira - Por volta do ano de 1850, no lugar de uma antiga cruz de madeira, foi construída uma pequena capela que possuía duas torres e um sino com ajuda dos moradores e de fazendeiros da região, sendo chamada de capela de Santa Cruz pelo vigário Padre João Alves Coelho Guimarães. O vilarejo ganhava assim a sua primeira paróquia, a paróquia de Santa Cruz do Paiolinho.

Em 24 de março de 1860 o povoado foi elevado a freguesia em terras do município de Taubaté. A população cresceu e a produção agrícola dava bons lucros, o que levou Paiolinho a ser elevada à categoria de município segundo Lei Provincial nº 33, de 8 de maio de 1877.

Em 1 de dezembro de 1877, a povoação de Paiolinho (assim chamada antigamente) teve seus territórios desmembrados do município de Taubaté. Em 1882, inspirados pelo progresso na região, deu-se início a construção da nova igreja matriz de Santa Cruz, só inaugurada em 1904.

Abolição - Redenção da Serra foi a primeiro município paulista a libertar seus escravos em 10 de fevereiro de 1888, em documento assinado pelos ilustres moradores de Paiolinho, Maria Augusta d'Almeida, Gabriel Ortiz Monteiro, Joaquim Camargo Ortiz, Antônio da Palma, monsenhor José Alves Coelho Guimarães, José Lopes Leite de Abreu, Joaquim Antônio Alves dos Santos e Lourenço Ottoni de Gouveia Castro.

Nesta data, declararam assim seus escravos livres, que continuaram a trabalhar mediante salário convencional. No mesmo documento e motivados pelo movimento que ali nascia, resolveram trocar a designação do município de Santa Cruz do Paiolinho para Redenção.

Em 21 de maio de 1934, Redenção deixou de ser município e voltou à condição de distrito pela Lei nº 6448, sendo incorporada ao município de Jambeiro, do qual se separou em 5 de julho de 1935 e passou a pertencer a comarca de Taubaté, sendo reinstalado novamente o município em 1 de janeiro de 1936.

A inundação - Toda essa história construída em seus casarões e igreja sofreriam, porém, um desenlace no começo da década de 1970. O governo do Estado deu início à construção da Usina Hidrelétrica de Paraibuna, represando os rios Paraibuna e Paraitinga e formando a represa da Companhia Energética de São Paulo (CESP).

Isso determinou o desaparecimento de duas cidades: Natividade da Serra e Redenção da Serra. Da velha Redenção da Serra, cheia de tradições e fatos históricos, restou na parte mais alta do município que não foi atingida pelas águas a Igreja Matriz, o sobrado com sacadas de ferro que sediava a prefeitura e outros poucos sobrados e residenciais da rua Capitão Alvim. A parte mais baixa porém foi totalmente invadida pelas águas.

Na zona rural, o represamento das águas afetou as terras férteis, eliminando grande parte da agricultura de subsistência. A industrialização da "Calha do Vale" (Taubaté, Pindamonhangaba e Tremembé) e a inundação de parte do município, contribuíram para o êxodo rural de grande parte da população produtiva.

Em 25 de agosto de 1974 de acordo com o decreto de implantação nº 190, nasce a nova Redenção da Serra, onde numa colina era erguida pelo povo redencense o cruzeiro que simbolizaria o renascimento do município.

Fonte: Câmara Municipal

anuncio