Crônica: Bençãos de Mães e suas canções de ninar o mundo

A homenagem ao do Dia das Mães teria sua origem em um drama vivido por Anna Jarvis, uma jovem dos Estados Unidos que perdeu a mãe e entrou em estado de depressão


A origem do "Dia das Mães" data do início do Século XX de acordo com uma antiga estória na América do Norte. Teria nascido por meio de um drama vivido por Anna Jarvis, uma jovem dos Estados Unidos que perdeu a mãe e entrou em estado de depressão. Suas amigas, para consolar a jovem, resolveram então promover uma grande festa onde seriam homenageadas todas as mães, vivas e mortas. 

Com isso, a homenagem se espalhou pelo país e foi instituída nos Estados Unidos pelo presidente Woodrow Wilson no dia 9 de Maio. A festa em homenagem às mães se propagou rapidamente por todo o mundo, sendo festejada sempre no mês de maio. Em Portugal, o "Dia das Mães" é festejado no primeiro domingo do mês e no Brasil é comemorada no segundo domingo.

E nada mais divino do que reverenciar a Mãe, aquela que tem por natureza ser sábia, porque é em torno dela que o clã deve moldar seus valores espirituais e humanos. Dela, fez-se o prisma sagrado da família onde dividem-se os feixes de luz para o universo, afinal, todas os corações de mães do mundo, unidos, fazem suportáveis as dores e agruras da vida terrena. Suas canções de ninar são balsâmicas e misericordiosas.

Quando Deus disse "Que se faça a Luz!", provavelmente fez nascer a Mãe de Si mesmo. E o incriado então compreendeu a naturalidade e a beleza do ato do nascimento. Como Criatura, contemplou a maternidade e sorriu. Via diante de si que o próprio Universo por Ele criado desenvolve-se pelo encontro dos astros em explosões de luz. Até as estrelas são mães.

Mãe é protagonista e não figurante. A novela que sua vida desenvolve tem capítulos às vezes de fatos dramáticos, outras de exultante euforia. Sofre em silêncio perante os atos de incompreensão, mas sua compaixão é humana, seu perdão é divino, seu coração é transcendente.

Seja ela a mãe idosa em contagem regressiva para o fechar de cortinas do seu script no palco da existência. Ou a jovem mãe, muitas vezes menina profanada e tolhida de viver uma infância como todas as demais, quando passa a ter nos braços não a boneca que embala sua inocência, mas um novo ser saído de seu ventre, e que a torna santa.

A mãe de numerosa prole, a mãe que enfrenta a cruel indiferença dos poderes constituídos, que busca água nos açudes, que reza pela colheita, e planta pela sobrevivência de seus pequenos rebentos. Que chora quando os filhos pedem mas a panela está vazia .

Mãe que é avó e são chamadas "mães duas vezes". Infinitas são as ocasiões em que estão próximas dos netos, participando ativamente de sua educação. Por outras vezes, assumem diretamente, no lugar da filha ausente ou falecida, acolhendo os netinhos como seus filhos. Que coração é esse que suporta tanta dor e ainda consegue bater em favor da vida de outros?

Mãe nobre, que exerce com sabedoria a criação de seus filhos e ainda encontra um tempo para, em seus atos sublimes de filantropia e amor materno-universal, ajudar outras mães menos favorecidas pela sorte.

Mães negras, índias, brancas, orientais, mãe adotiva, de todas as religiões, de todas as cores e luzes, de todos os universos, de todos os sonhos, de todos as experiências, de todas as necessidades, de todas as missões, de todos os filhos, mãe de todos os dias.

Claro, pois assim como temos o Sol nascendo no Leste todas as manhãs , todos os 365 dias do ano são "Dias das Mães".

Peçamos sua Benção! Sempre!        

anuncio