O amargo jejum de 24 anos

A Seleção Brasileira de Futebol passou por um longo jejum de títulos de Copas do Mundo que se iniciou após o Tri de 70 e terminou no Treta de 94.


Em 1970 no Estádio Azteca, no México, a Seleção Brasileira sagrou-se a primeira tri campeã mundial de futebol, conquistando por definitivo a taça Jules Rimet ao vencer a Itália na final, desta forma, concretizou o jogo coletivo bem definido, conectado e bem articulado entre os setores defensivos e ofensivos demonstrado ao longo da Copa.

Após 24 anos depois o Brasil conquistaria a Copa dos Estados Unidos de 94, novamente contra a Itália, na primeira decisão de final decidida nos pênaltis das histórias das Copas. A Seleção de 94 entrava nos jogos de mãos dadas, este gesto marcou a união do grupo, após um pedido de trégua dos jogadores, atendidos no Recife, no jogo que o Brasil venceu a Bolívia por 6 a 0 na reta final das Eliminatórias. Em campo, a Seleção de 94 era bem distribuída, compacta na marcação, de boas saídas pelas laterais, meio campo e defesa forte, no entanto, ofensivamente dependia unicamente da inspiração dos atacantes Bebeto e Romário, especialmente do segundo, que acabou sendo como o artilheiro da competição com cinco gols e eleito o craque do mundial.

De 70 a 94 foi um longo período de jejum de títulos mundiais, desta forma, observamos alguns possíveis fatores que contribuíram para os momentos de insucesso da Seleção nas Copas de 74, 78, 82, 86 e 90.

Na Copa da Alemanha de 74, a Seleção acabou sendo surpreendida taticamente pela aplicação do Futebol Total da Holanda de Rinus Michaels, claramente o técnico Zagalo criou uma estratégia tática para combater o Carrossel Holandês de blitz na saída de bola, valentes avançados, movimentação constante dos jogadores em campo. Esta forma inovadora de jogar futebol surpreendeu todos os seus adversários, inclusive o Brasil que foi derrotado na semifinal por 2 a 0, com show do craque Cruyff e cia.

Em 78, na Copa da Argentina, a Seleção saiu do mundial após um jogo polêmico, a decisão de quem iria para a final desta Copa, seria no saldo de gols de Brasil e Argentina. Os respectivos jogos estavam marcados para acontecer no mesmo dia e horário, mas horas antes do jogo, os jogadores brasileira foram avisados que a Argentina entraria duas horas depois que o Brasil, assim, o Brasil venceu a Polônia por 3 a 1, a Argentina, sabendo do resultado brasileiro a Argentina teria que ganhar do Peru por uma diferença de 4 gols, assim, venceu o Peru por 6 a 0 e eliminou a Seleção Brasileira da competição.

Segundo André Kampff em reportagem investigativa houve um indicio de esquema de suborno, financiado por narcotraficantes colombianos, que envolvia jogadores, comissão técnica e governo peruano.

Em 82 na Copa da Espanha a Seleção Brasileira perdeu a competição, mas conquistou o povo. A Seleção de 82 é lembrada até os dias de hoje pelo bom futebol, que jogava e deixava jogar, tinha craques, como: Júnior, Falcão, Sócrates e Zico.

O técnico Telê Santana ficou conhecido no futebol brasileiro por defender suas convicções em torno do futebol e pela sua grande atenção no aperfeiçoamento técnico dos jogadores. Mas algumas de suas decisões na Seleção de 82 foram questionadas, como a de substituir Paulo Isidoro, que vinha jogando e desenvolvendo uma função tática defensiva na equipe por Falcão, que se apresentou na seleção brasileira um mês antes do Mundial, desta forma, ofensivamente a equipe teve ganhos com Falcão mas defensivamente ficou vulnerável sem Paulo Isidoro, não havendo um equilíbrio dos sistemas.

Outro aspecto que ganhou destaque foi o excesso de confiança por parte dos jogadores brasileiros, para eles, passariam pela forte Argentina de Maradona e atropelariam a Itália que não vinha bem na competição. Uma coisa que eles pensavam aconteceu, o Brasil venceu com certa facilidade a Argentina por 3 a 1 e na semi final poderiam jogar por um empate para avançar a final da competição. Mas, a Itália fez 3 gols em falhas brasileiras. Primeira, num cruzamento Rossi de cabeça conclui para abrir o placar do jogo. Segunda, em falha de Cerezo Rossi aproveita e desempata o jogo. Sócrates e Falcão marcaram para o Brasil e com o empate chegaria a final. A terceira, após um escanteio Paulo Rossi aproveita a falta de atenção da defesa brasileira e desempata o placar para a Itália. Paulo Rossi foi o carrasco brasileiro de 82 na derrota de 3 a 2 para a Itália e protagonista no que ficou conhecida como a tragédia de Sarriá.

Na Copa do México em 86, foi realizada no México, após desistência da Colômbia e Guadalajara foi a casa do Brasil. A Seleção Brasileira esbarrou na França de Platini, nas quartas de finais, após empate de 2 a 2, com Zico perdendo um pênalti no tempo normal, Sócrates e Júlio Cesar desperdiçaram nas cobranças alternadas. Na cabine de imprensa o comentarista João Saldanha crítica fortemente Sócrates pela displicência na cobrança.

Há quem diga que a Seleção de 86 foi melhor que a de 82, especialmente pelo resultado em campo, sendo eliminada da Copa sem perder um jogo. Com uma Seleção que contava com os jovens jogadores Miller, Careca, Silas, Casa Grande, Alemão e os veteranos Sócrates, Junior e Zico, que não estava em sua forma ideal. Há quem diga que o grupo estava rachado, dividido e esta desunião foi um fato que atrapalhava de alguma forma o desempenho, no entanto, a Seleção de 86 terminou a competição de forma invicta.

A Seleção de 90 tinha seu técnico, Sebastião Lazaroni, muito contestado, especialmente por não definir um padrão de jogo e dar uma identidade tática a Seleção. A opinião pública pedia um sistema ofensivo com três atacantes, Romário em boa fase entraria na Seleção, um meia de ligação que seria responsável pela criação das jogadas ofensivas e jogadores de destaque nacional e internacional, caso de Neto e João Paulo, respectivamente.

Aspectos que refletiram dentro de campo, especialmente no jogo de oitavas contra a Argentina, Maradona soube aproveitar a vulnerabilidade no meio campo brasileiro e ao seu estilo iniciou uma arrancada driblou dois jogadores, passou a Caniggia que após ultrapassar Taffarel e completou ao gol. Com a vitória da Argentina sobre o Brasil por 1 a 0 avançou para as quartas de finais e chegou a final contra a Alemanha, perdendo o título para os alemães.

Por fim, especialmente com a Itália, sorrimos em 70, choramos em 82 e tornamos a sorrir em 94. A Copa da Rússia será a primeira vez, desde 1958, que a Itália estará fora de um mundial.

anuncio